Todas as Coisas Cooperam para o Nosso Bem

caminhopor

Joel Beeke


Comentário Sobre Romanos 8:28


Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito“. (Romanos 8:28)


Em Romanos 8:28 Paulo expõe uma profunda e consoladora verdade para o crente genuíno, “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”.

A vida do cristão assemelha-se ao mecanismo de um relógio. O que você vê ao abrir um relógio? Vê que certas engrenagens que giram em sentido anti-horário estão atreladas a outras que trabalham no sentido horário. A sua primeira impressão pode ser de que o mestre relojoeiro está louco ou confuso.

Pelo contrário, ele arrumou de tal forma o mecanismo desse relógio e colocou uma mola mestra para controlar todas as suas engrenagens, que quando recebe corda, embora uma engrenagem gire no sentido horário e outra no sentido anti-horário, todas trabalham juntas para mover os ponteiros em torno do mostrador precisamente na velocidade certa. Muitas engrenagens parecem trabalhar umas contra as outras, mas todas trabalham juntas com o mesmo propósito de mostrar o tempo exato.

Isso é apenas uma alegoria da vida do povo de Deus. Algumas engrenagens nas suas vidas giram em sentido horário, as quais provêem esperança de que os fatos que ocorrem em suas vidas, dirigidos pela providência de Deus são bons para eles, mas outros atos da providência de Deus parecem ocorrer no sentido contrário, ou seja, contra eles. Somente quando seus olhos da fé estão fixos no grande Mestre-Relojoeiro, que planejou todas as coisas segundo seu sábio decreto, eles vêem e compreendem que Ele ajustou a mola mestra da graça nas suas vidas, de maneira que todas as engrenagens espirituais e providenciais cooperam para o seu bem estar. Sim, irmão, embora muitas vezes pareça que tudo está girando no sentido anti-horário e contra você, embora às vezes você veja uma engrenagem da providência trabalhar contra uma engrenagem da graça em várias aflições e provações, ainda assim o seu sábio Deus sabe exatamente tudo o que Ele está fazendo. Ele fará todas as coisas cooperarem para a produção de um abençoado e divino resultado segundo o Seu soberano beneplácito e eterno conselho.

Paulo não faz qualquer exceção a essa promessa. Ele diz “todas as coisas __ isso inclui todas as coisas boas e todas as coisas ruins __ cooperam para o bem”. As melhores coisas __ incluindo os atributos e as obras de Deus, as promessas e providências do Pai, a obra e a pessoa do Filho, a graça e a obra do Espírito, o eterno pacto da graça com todos os benefícios da salvação que o acompanham, e as divinas ordenanças, como a Palavra, os sacramentos, a oração e a comunhão dos santos __ todas cooperam para o seu bem verdadeiro se você é um daqueles que verdadeiramente amam ao Deus das Escrituras. Até mesmo as piores coisas __ incluindo o afastamento de Deus, o pecado, satanás, enfermidades, tentações, aflições, perseguições, __ cooperam para o seu bem e para a glória de Deus.

Sem dúvida alguns de nós dirão, “é fácil compreender que as coisas boas cooperam para o bem, e eu sei que as coisa ruins devem cooperar para o bem estar espiritual do povo de Deus, mas como a aflição, o afastamento de Deus, e até mesmo o pecado podem cooperar para o meu bem, isso eu não consigo compreender!

Hoje e na mensagem da próxima semana eu desejo expor a vocês algumas maneiras diferentes como até mesmo essa três coisas __ a aflição, a interrupção da comunhão com Deus e o pecado __ cooperam para o bem estar espiritual dos filhos de Deus, para que, a partir do exposto, nós sejamos capazes de concluir com segurança que “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus”. Hoje vamos nos deter no benefício que a aflição traz para o crente, e na próxima semana veremos então como a deserção divina e o pecado podem resultar em bem.

Ninguém naturalmente gosta da aflição. Aflições podem ser muito pesadas e difíceis de suportar. “Se o pecado é a cabeça da serpente,” escreveu Ralph Erskine, “a aflição é a sua cauda”. E mais, caro irmão, não é certo que a aflição também serve como um remédio para você nas mãos do seu grande Médico, Jesus Cristo? Vejamos resumidamente nove maneiras diferentes as quais nas mãos dEle as suas aflições cooperam para o seu bem estar espiritual e eterna saúde.

Primeiro, o Senhor, através da aflição, não o humilha profundamente, mostrando quem você é e o que existe dentro de vocênada além de pecado e corrupção, a parte da graça divina? Não lhe ensina o Senhor através da aflição a mesma verdade que Ele ensinou a Israel em Deuteronômio 8, “que te conduziu por aquele grande e terrível deserto de serpentes abrasadoras, de escorpiões, e de secura, em que não havia água… que no deserto te sustentou com maná…, para te humilhar, e para te provar, e afinal te fazer bem” (Dt 8:15,16)?

A aflição não só faz o verdadeiro crente se humilhar diante de Deus, mas o conserva humilde. A aflição faz secar o reservatório do combustível que alimenta o seu orgulho. Um crente aflito é semelhante uma árvore carregada de frutos; a árvore que mais se dobra ao chão é freqüentemente a que está mais cheia de frutos. Se Deus utilizar a aflição para humilhá-lo perante Ele, não estará a sua aflição cooperando para o bem?

Segundo, através da aflição o povo de Deus aprende o que é o pecado na sua desonrosa, corrompida e maldita natureza. Através da aflição eles aprendem que, como foi apropriadamente dito, “o pecado tem o diabo por pai, a vergonha por companheira, e a morte por seu salário”. Eles aprendem pela aflição que o pecado na verdade é um ataque ao coração, ao ser, e aos atributos de Deus. Como escreveu John Bunnyan, ” o pecado é uma afronta a justiça de Deus, uma violência contra a sua misericórdia, é escarnecer da Sua paciência, é menosprezar o Seu poder, e desrespeitar o Seu amor”. Eles aprendem através da aflição que o pecado é tanto a força da sua morte, como a morte da sua força.

Na aflição é como se a alma do crente fosse esquadrinhada com lanternas expondo os pecados ocultos e notórios. Quando a aflição é santificada pelo Espírito Santo, o pecado é arrancado do seu esconderijo dentro do coração e trazido à luz dos santos e prescutadores olhos de Deus. A aflição arranca a folha de figueira que cobre o filho de Deus. “Os pecados do povo de Deus são como ninhos”, escreveu o puritano William Bridge, “enquanto as folhas estiverem na árvore você não pode vê-los, mas no inverno da aflição quando todas as folhas caem, os ninhos aparecem claramente”. Quando a aflição é santificada, o pecado se torna hediondo e odioso. O pecado se torna excessivamente pecaminoso em sua verdadeira natureza. Torna-se mais odiado por sua natureza do que por suas conseqüências.

Terceiro, o Espírito Santo usa a aflição como um remédio para acabar com a enfermidade mortal do pecado nos filhos de Deus, fazendo-os produzir frutos saudáveis e piedosos. Quando o pecado faz o crente se desviar do seu Salvador, o Senhor Jesus, como um Bom Pastor, usa a vara da aflição para aprumá-lo novamente. A aflição é o cão do Pastor, enviado não para devorar as ovelhas, mas para trazê-la de volta ao aprisco. A aflição trata do pecado. “Antes de ser afligido andava errado”; confessa Davi, “mas agora guardo a tua palavra” (Sl 119:67).

Para um filho de Deus, ser afligido é um bem como é a poda para a jovem árvore pois a pressão da aflição não só remove o terrível mau cheiro do pecado, mas também revela as fragrâncias e os frutos da graça divina. Você sabe que em alguns países certas árvores crescem mas não dão fruto por não haver inverno ali? O cristão precisa de invernos de aflições para experimentar o florescer das primaveras, o crescimento do verão e a colheita de outono.

A vida dos filhos de Deus é como um sino – quanto mais forte se bate, melhor ela toca. Eles aprendem mais sob a vara que os disciplina do que sob o cajado que os consola. O Bom Pastor não está afogando suas ovelhas quando as lava, nem as está matando quando tosquia. Pelo contrário, sua lavagem é uma higiene necessária; a tosquia um privação necessária, e suas correções são lições essenciais.

A aflição colhe frutos preciosos. Ela garimpa, funde, refina e forja o crente até que o divino Ourives possa ver o seu reflexo na obra das Suas próprias mãos. Então o Cristão experimenta com Jó, “se Ele me provasse, sairia eu como o ouro” (Jó 23:10). “A aflição”, escreveu Robert Leighton, “é o pó de diamante com que o céu poli as suas jóias”.

Quarto, o Senhor se utiliza a aflição como um meio de fazer o seu povo buscá-lo, para trazê-lo de volta à comunhão com Ele, e mantê-lo junto ao Seu lado. Como na tempestade as ovelhas buscam estar junto do seu pastor, assim diz o Senhor de Israel, “estando eles angustiados, cedo me buscarão” (Os 5:15). As tempestades e o granizo da aflição leva as ovelhas para mais perto do seu Pastor. Todas as pedras que atingiram Estevão apenas o empurraram para mais perto da pedra angular, Jesus Cristo, e abriram ainda mais o céu para a sua alma. A aflição levou a mulher cananéia ao Filho de Davi; conduziu o ladrão na cruz ao seu Salvador. Não foi a coroa de Manassés, mas suas cadeias, que o fizeram reconhecer que ” o Senhor era Deus”. Mesmo o imã da rica misericórdia de Deus não traz e mantém tão perto o rebanho do seu Grande Pastor como as cordas da aflição.

Quinto, o Senhor usa as aflições moldar o seu seu rebanho à semelhança de Cristo fazendo-o participante dos seus sofrimentos e da sua imagem. Cristo foi castigado “para (o nosso) aproveitamento”, o autor de Hebreus escreveu, “a fim de sermos participantes da sua santidade” (Hb 12:10). Deus tinha apenas um Filho sem pecado, mas nenhum sem aflição. A sua vara de aflição é como um lápis com que ele traça a imagem de Cristo mais firmemente em seu povo. Pelo caminho da aflição rumo à glória eles se tornam seguidores do Cordeiro de Deus que caminha adiante do seu rebanho. Todo caminho de aflição que eles encontram já foi trilhado, conquistado e santificado pelo seu Pastor cujo sangue substitutivo, desde a sua circuncisão até a cruz, é a sua garantia segura de que nenhuma aflição ou provação será capaz de separá-los do amor de Deus em Cristo Jesus (Rm 8:39). Os seus merecidos sofrimentos os conduzem ao sofrimento substitutivo de Cristo, o qual por sua vez, os faz exclamar “o seu jugo é suave e o seu fardo é leve” (Mt 11:30). Caro irmão, não é nos tempos de sofrimento que normalmente você tem mais comunhão com Jesus Cristo em seus sofrimentos __ cuja a vida inteira, como diz Calvino, não foi outra coisa senão uma série de sofrimentos? Pode então você reclamar da leve cruz que você tem de suportar sendo um pecador culpado quando você vê a pesada cruz que Cristo teve de suportar sendo inocente?

Sexto, as aflições espirituais cooperam para o nosso bem porque o Senhor os contrabalança com consolo e alegria espirituais. “A vossa tristeza”, disse Jesus aos discípulos, “se converterá em alegria” (Jo 16:20). Ele leva o seu povo ao deserto para lhes falar ao coração (Os 2:14). Onde quer que abundem os sofrimentos de Deus, abunda a consolação de Deus (2 Co 1:4,5). A vara do Pastor possui mel em sua ponta. Todo Paulo tem sua canção para cantar na prisão. O doce seguirá o amargo. A alegria virá pela manhã. O Senhor transformará a sua água em vinho. Samuel Rutherford uma vez escreveu, “quando eu estou no porão da aflição (é a mesma palavra para adega no inglês:cellar), eu encontro os melhores vinhos do Senhor”. Na aflição, as ovelhas de Deus às vezes experimentam doces êxtases de divina alegria, que as levam como que, bem nos limites das fronteiras da Canaã celestial. Em tais momentos eles podem confessar com Elifaz o temanita, “bem aventurado é o homem a quem Deus disciplina; não despreze, pois, a disciplina do Todo-Poderoso. Porque Ele faz a ferida e Ele mesmo a ata; Ele fere, e as suas mãos curam. De seis angústias te livrará, e na sétima o mal te não tocará (Jó 5:17-19).

Sétimo, a aflição também coopera para o bem fazendo os filhos de Deus andar por fé e não por vista. Se fosse permitido ao crente sempre desfrutar dos a prazeres e alegrias deste mundo, eles passariam a amar esta vida e a depender das suas provisões espirituais ao invés de depender dAquele que tudo provê. Por isso, juntamente com as suas doces iguarias, o Senhor serve um pouco de molho azedo para ajudar na digestão, para que eles vivam, não por seus sentidos, mas pela fé. Na prosperidade o povo de Deus fala de viver pela fé; muitas vezes conselhos obscuros de palavras sem conhecimento; mas é na adversidade que eles alcançam o conhecimento prático do que é viver pela fé.

Oitavo, a aflição coopera para o bem quando desliga e afasta os cristãos das coisas deste mundo. Um cão nunca morde aqueles que são de casa, somente os estranhos. A aflição morde tão profundamente os filhos de Deus porque eles ficam tão pouco em casa com a Palavra e os costumes de Deus, e tempo demais com o mundo e os costumes dos homens. Se eles estivessem mais vezes em casa com o seu Mestre e Pastor nos lugares celestiais, as aflições seriam muito mais fáceis de suportar. “Deus”, diz Thomas Watson, “tem o mundo como um dente mole, prestes a cair, que quando arrancado, não nos cria mais problema”.
Finalmente, a aflição é proveitosa para preparar o povo de Deus para a sua herança celestial. A aflição eleva as suas almas até o céu, para buscarem “a cidade que tem fundamentos, da qual Deus é o arquiteto e edificador”(Hb 11:10). A aflição pavimenta o seu caminho para a glória. “Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação”(2 Co 4:17). “Aquele que corre para receber a coroa”, escreveu John Trapp, “não se incomodará muito com um dia chuvoso”.

Filhos de Deus, isso não é suficiente para convencê-lo que a aflição é para o seu bem __ que “nada” de bom ou necessário “faltará” a vocês, tanto temporal como espiritualmente? Ainda que o vento da aflição seja contrário à sua carne, Deus se agrada em usá-lo para conduzir você ao céu. As suas aflições são sob medida para ajustarem-se com precisão divina a você durante todo o caminho para a glória. “Em tudo (até mesmo nas aflições) dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco” (1 Ts 5:18).

 


Mensagem pregada pelo Dr. Joel R. Beek no ministério radiofônico (The Gospel Trumpet Broadcast) das Congregações da Herança Reformada Holandesa.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s